sábado, 24 de outubro de 2009

O fim



A morte me rodeia,
Como um urubu atrás, atrás de carniça.
Carniça, do meu coração estraçalhado,
Depois de você, tê-lo despedaçado
E me deixado chorando, sozinha.

Perdi os sonhos,
Deixaram-me nua,
Meu sonho era apenas e somente,
Ser Tua só tua.
Deixou-me só na calçada,
Implorando como mendiga, seu sorriso,
Pra eu guardar, calada.
Como ultimo pedido
A companhia da sua boca, em meus olhos sós

É só mais uma vez aquela garota,
Aquela sofredora,
Buscando coisas pequenas e impossíveis
Só me dê eu sorriso,
Aquele com o qual sonhei a noite.
E deixe-me só sofrendo,
Que quem sabe Deus tenha piedade de mim,
E deixe a morte que me rodeia
Pra sempre tirar-me daqui.

sábado, 3 de outubro de 2009

Incondicional



Meus olhos sempre brilharão por ti,
Mesmo que os seus não correspondam meu brilho,
Continuarei respirando,
Te amando,
Por que já decidido foi,
Que seu coração entregou-se,
À um outro sorriso,
Que não me corresponde.

Talvez não saiba que esse amor acontece,
Mas aqui te esclarece,
Que aos poucos fui te querendo pra mim,
Tornou-se meu nos sonhos,
Teu abraço era o que me pertencia,

Quem lê talvez não entenda,
Que feliz esteja mesmo,
Não sendo Eu teu amor.
Não te descrevo meu sofrimento,
E sim o agradecimento,
Por que feliz está sendo.

E então achar alguém eu irei,
Que irá iluminar meus olhos,
Para que seu brilho à outro olhos volte-se,
E assim a realidade meus olhos retorne,
Para que novamente,
Esse coração que ainda te sente,
Traga um novo amor,
Nova semente.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Repente, de repente



Você pode tocar minhas palavras?
Pode ler o que sinto?
Tente rir dos meu versos,
Escrever é o instinto.

São emaranhados de frases,
Mas só foi escrito,
Por que não me permitem,
Não me permitem dar um grito.

Mas tão repente,
Surge em meus olhos profundo brilho,
Não me deixe enlouquecer,
Ou culpado vai ser,
Por me negligenciar.

As palavras continuam
Sussurrando-me ao ouvido,
É tudo loucura,
Loucura que desejava ter vivido.

Se continuar dando me ouvidos,
Enlouquecida serei,
Pois o que não sai de meus lábios,
Fica emperrado em meus cadernos.



Camila Oliveira

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Dedicatória



Às flores que por mim pisadas,
Ao sonho de ser quem sou,
À lágrima por mim deixada,
Que me serviu de inspiração,
Para escrever tudo com amor,
Com paixão.


C. Oliveira